quinta-feira, 1 de junho de 2017

Poema do mês de junho: "Ser poeta"

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior

Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!


Florbela Espanca

Livro do mês de junho: "A lotaria" de Patricia Wood

"As pessoas preocupam-se muito com o futuro. A avó também me dizia o mesmo, mas eu acho que o futuro vem de qualquer maneira, quer a gente se preocupe ou não. Se não vier, então estamos mortos e já não precisamos de nos preocupar." (p.100)
Neste seu romance, Patricia Wood consegue fazer-nos partilhar de forma convincente a visão do mundo de Perr L. Crandall, com o seu QI de 76. Criado por uma avó extraordinária, Perry aprendeu a aceitar-se e a lidar com a vida à sua maneira, mas, acima de tudo, aprendeu a confiar nos seus próprios sentimentos. Essa capacidade virá a revelar-se da maior importância quando, mais tarde, Perry ganha uma avultada quantia de dinheiro na lotaria. Um romance encantador e comovente sobre o poder do amor e da confiança no lado positivo de todas as coisas.
Este livro fala do poder do amor, da amizade genuína, do sofrimento, das motivações humanas, da generosidade, da inteligência emocional e da esperança.

Patricia Wood nasceu em Seattle, Washington. Começou a escrever aos 8 anos. Frequentou a Shoreline High School, formando-se em 1971. Em 1972, alistou-se no Exército dos EUA e serviu como tecnóloga médica. Depois de servir nas forças armadas, Wood frequentou a Northern Illinois University. Mais tarde, obteve um doutoramento na Universidade do Havaí. Trabalhou como professora de educação especial e ensinou ciência do mar e equitação.
Em 2 de agosto de 2007, Wood publicou “Lotaria”.

Wood, atualmente, mora num veleiro no Havaí. 

terça-feira, 2 de maio de 2017

Poema do mês de maio

Quando vier a Primavera,
Se eu já estiver morto,
As flores florirão da mesma maneira
E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada.
A realidade não precisa de mim.

Sinto uma alegria enorme
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma

Se soubesse que amanhã morria
E a Primavera era depois de amanhã,
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.
Por isso, se morrer agora, morro contente,
Porque tudo é real e tudo está certo.

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.
O que for, quando for, é que será o que é.


Alberto Caeiro

Livro do mês de maio - Jardim dos segredos, de Kate Morton

Em 1913 uma criança é encontrada só, num barco que se dirigia à Austrália, com apenas uma malinha branca contendo um livro de obscuros contos infantis. Uma mulher misteriosa prometera tomar conta dela, mas desapareceu sem deixar rasto.
Um século depois, acompanhamos Cassandra na sua tentativa de resolver o mistério de uma pequena criança perdida. Um dos instrumentos que favorecem essa procura é um livro de obscuros contos infantis do início do séc. XX, três dos quais, de uma prosa belíssima, aparecem ao longo do próprio texto. Aparentemente, a autora destas histórias, Eliza Makepeace, será a chave para Cassandra finalmente recuperar a verdade sobre a origem da sua família.




Kate Morton cresceu nas montanhas do sudeste de Queensland, na Austrália. Tem formação superior em Teatro e Literatura Inglesa. Os seus livros estão publicados em 36 países.

O Jardim dos Segredos é o segundo romance da autora, depois de O Segredo da Casa de Riverton. Ambos foram alvo de várias distinções: O Segredo da Casa de Riverton venceu o Australian Book Industry Award of General Fiction, foi finalista do Galaxy British Book Awards, foi também recomendado pelo Richard & Judy Summer Reads Book Club 2008 e eleito "livro do mês" pela Amazon; O Jardim dos Segredos ganhou o Australian Book Industry Award of General Fiction, foi também o mais vendido do ano na Austrália, bestseller do The New York Times e "livro do mês" na Amazon.

terça-feira, 4 de abril de 2017

Rumo à Igualdade de Género

Sessões dinamizadas pela Isabel Silva e Alexandra, técnicas do GAF (Grupo Aprender em Festa - Gouveia), em parceria com o Município de Seia, Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Seia e RBEMS (Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais de Seia).












































Poema do mês de abril: "Não digas nada!"

Não digas nada!

Nem mesmo a verdade
Há tanta suavidade em nada se dizer
E tudo se entender —
Tudo metade
De sentir e de ver...
Não digas nada
Deixa esquecer

Talvez que amanhã
Em outra paisagem
Digas que foi vã
Toda essa viagem
Até onde quis
Ser quem me agrada...
Mas ali fui feliz
Não digas nada.


Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"